segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Os Pacotes na Educação

Por Antônio Carlos Vieira


Texto atualizado em 07/07/2011.


 Ultimamente, o que se tem visto, na educação pública é a implantação dos chamados pacotes e entre eles podemos citar: Acelera, Alfa e Beto, Se Liga e EJA (Ensino de Jovens e Adultos). Esses pacotes surgiram com o objetivo de corrigir os chamados atrasos existentes entre centenas de alunos que estavam em uma série considerada fora da faixa de idade. A ideia era tentar corrigir os alunos para que eles acompanhassem os demais que se encontravam em séries adiantadas.

Quando um professor tem uma sala de aula com poucos alunos é comum ele conseguir corrigir certos defasagens em alguns alunos. É comum encontramos alunos na quintas e sextas séries soletrando as palavras. Quando o professor tem um número maior de aulas por turma e uma quantidade de adequada alunos ele consegue fazer (ou corrigir) com que, durante o decorre do ano letivo, crie-se mecanismos para que o aluno consiga ler naturalmente (sem soletrar as palavras). E mesmo assim, quando não se conseguia se corrigir o problema em sala de aula, o correto seria ter uma equipe técnica (alguns país colocavam os filhos em bancas) para que se acompanhassem os alunos e o problema fosse solucionado.

Com o passar do tempo, as Equipes Técnicas (ou Pedagógicas) foram desaparecendo e as condições de trabalho do professor estão piorando e apareceram ( e a cada dia aparecem mais) várias causas que estão dificultando uma melhor qualidade de ensino (clique aqui), entre elas: a) salas de aulas lotadas, grade curriclar para atender interesses administrativos (clique aqui), excesso de professores em algumas disciplinas e faltas  de professores em outras, etc.

Com o passar do tempo, as sala de aulas passaram a ficar super lotas e em algumas disciplinas, onde a leitura é fator determinante ( História e Geografia são exemplos),  foi-se criando uma demanda de alunos com defasagens em relação a outros da mesma idade. Mesmo na disciplina de Matemática criou-se uma defasagem dos alunos que chegavam até as 5ª e 6ª séries sem saberem as quatro operações. Foi aí, que algum iluminado lançou esses pacotes que dizem para corrigir essas tais distorções.

Se era esse o objetivo, de uma certa maneira, o Estado afirmou que o ensino estava passando por problemas ao impantar tais pacotes e para piorar se implantou tais pacotes e não corrigiu as causas dos problemas que estavam fazendo com que tantos alunos ficassem em idade consideradas defasadas, ou seja, o ensino regular produz a matéria prima (os alunos defasados)e depois passam para o Cursos de Correção (Pacotes) e assim se criou-se um ciclo vicioso.

Hoje, as Secretárias de Educação estão se utilizando desses pacotes para apressar os alunos (e não para educá-los) com o objetivo de que esses alunos, quando aprovados, irão abrir vagas pra novos alunos. E um caso de pura economia para não se gastar com mais professores e apressar os alunos, para que eles, ao mudarem de séries, abram novas vagas para novos alunos e novas turmas. Para piorar a situação , esses pacotes estão sendo ofertados de maneira igual em número de turmas com o chamado ensino regular e chega-se a conclusão que o objetivo de se corrigir os alunos defasados foi substituído pelo motivo de se fazer os alunos passarem mais rápidos pelos bancos escolares sem precisar contratar mais professores.


Além do motivo de se economizar, citado acima, esses pacotes são oferecidos com uma ajuda de custo e isso vale para os pacotes vindo do MEC (Ministério da Educação), como também para os pacotes vindos de ONGs (tipo Fundação Airton Senna).


Tem-se falado em uma tal de Gestão Democrática, você acredita que alguma Secretaria de Educação irá querer debater democraticamente a implantação desses pacotes juntamente com os professores, país e alunos?  

3 comentários:

  1. Na verdade a educacação esta mais preocupada em números do que qualidade, tudo é camuflado...o importante é diminuir os índices de analfabetismo...sendo que muitos alunos com certificados, mal sabe ler e escrever. Muitos desses pacotes não respeitam o trabalho individual e próprio do professor...alguns professores são questionados quando a aprovação não aconteceu como os PACOTES previam. Acredito que para a escola mudar é necessário que as pessoas que comandam este nosso Brasil... mudem!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Será que essas pessoas que decidem pela colocação desses pacotes nas escolas tem seus filhos estudando em alguma escola com esses pacotes?

    ResponderExcluir
  3. Acredito que está havendo um desinteresse de ambas as partes na maioria dos casos(educadores e governo para não falar da família)para solucionar o problema.Porque afirmo isso, sempre criticamos os governos por esses pacotes para solucionar problemas que também provocamos juntamente com os pais e com o próprio sistema,mas quando chamamos os colegas para repessarem práticas ou mesmo pensar em soluções, pouquissímos se interessam em fazer um estudo de caso pois cada escola uma sentença, certo?E na maioria das vezes criticar é a melhor forma ou culpar sempre o outro, pois já que somos formadores de opinião por que não pensarmos e analisarmos as soluções mais imediatas no decorrer das reuniões de sábado letivo?Não é verdade?enquanto nós professores não nos colocarmos como peça essencial para a educação vamos ser sempre manobra de qualquer pacote educacional.

    ResponderExcluir