segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

VOCÊ SABIA? O QUE É A 'TEORIA DAS JANELAS ABERTAS'

TEORIA DAS JANELAS PARTIDAS

Em 1969, na Universidade de Stanford (EUA), o Prof. Phillip Zimbardo realizou uma experiência de psicologia social. Deixou duas viaturas abandonadas na via pública, idênticas, da mesma marca, modelo e até cor. Uma deixou em Bronx, na altura uma zona pobre e conflituosa de Nova York e a outra em Palo Alto, uma zona rica e tranqüila da Califórnia. Duas viaturas idênticas abandonadas, dois bairros com populações muito diferentes e uma equipe de especialistas em psicologia social estudando as condutas das pessoas em cada sítio. 

Resultou que a viatura abandonada em Bronx começou a ser vandalizada em poucas horas. Perdeu as rodas, o motor, os espelhos, o rádio, etc. Levaram tudo o que fosse aproveitável e aquilo que não puderam levar, destruíram. Contrariamente, a viatura abandonada em Palo Alto manteve-se intacta. 

É comum atribuir à pobreza as causas de delito. 

Atribuição em que coincidem as posições ideológicas mais conservadoras, (da direita e esquerda). Contudo, a experiência em questão não terminou aí, quando a viatura abandonada em Bronx já estava desfeita e a de Palo Alto estava há uma semana impecável, os investigadores partiram um vidro do automóvel de Palo Alto. 

O resultado foi que se desencadeou o mesmo processo que o de Bronx, e o roubo, a violência e o vandalismo reduziram o veículo ao mesmo estado que o do bairro pobre. Por que o vidro partido na viatura abandonada num bairro supostamente seguro, é capaz de disparar todo um processo delituoso? Não se trata de pobreza. Evidentemente é algo que tem certo grau de semelhança com a psicologia humana e com as relações sociais. 

Um vidro partido numa viatura abandonada transmite uma ideia de deterioração, de desinteresse, de despreocupação que vai quebrar os códigos de convivência, como de ausência de lei, de normas, de regras, como que vale tudo. Cada novo ataque que a viatura sofre reafirma e multiplica essa ideia, até que a escalada de atos cada vez piores, se torna incontrolável, desembocando numa violência irracional. 

Em experiências posteriores (James Q. Wilson e George Kelling), desenvolveram a 'Teoria das Janelas Partidas', a mesma que de um ponto de vista criminalístico, conclui que o delito é maior nas zonas onde o descuido, a sujidade, a desordem e o maltrato são maiores. 

Se se parte um vidro de uma janela de um edifício e ninguém o repara, muito rapidamente estarão partidos todos os demais. Se uma comunidade exibe sinais de deterioração e isto parece não importar a ninguém, então ali se gerará o delito. 

Se se cometem 'pequenas faltas' (estacionar em lugar proibido, exceder o limite de velocidade ou passar um semáforo vermelho) e as mesmas não são sancionadas, então começam as faltas maiores e logo delitos cada vez mais graves. Se se permitem atitudes violentas como algo normal no desenvolvimento das crianças, o padrão de desenvolvimento será de maior violência quando estas pessoas forem adultas. 

Se os parques e outros espaços públicos deteriorados são progressivamente abandonados pela maioria das pessoas (que deixa de sair das suas casas por temor à criminalidade), estes mesmos espaços abandonados pelas pessoas são progressivamente ocupados pelos delinqüentes. 


A Teoria das Janelas Partidas foi aplicada pela primeira vez em meados da década de 80 no metro de Nova York, o qual se havia convertido no ponto mais perigoso da cidade. Começou-se por combater as pequenas transgressões: grafites deteriorando o lugar, sujidade das estações, ebriedade entre o público, evasões ao pagamento de passagem, pequenos roubos e desordens. Os resultados foram evidentes. Começando pelo pequeno conseguiu-se fazer do metro um lugar seguro. 


Posteriormente, em 1994, Rudolph Giuliani, prefeito de Nova York, baseado na Teoria das Janelas Partidas e na experiência do metro, impulsionou uma política de 'Tolerância Zero'. 

A estratégia consistia em criar comunidades limpas e ordenadas, não permitindo transgressões à Lei e às normas de convivência urbana. O resultado prático foi uma enorme redução de todos os índices criminais da cidade de Nova York. 

A expressão 'Tolerância Zero' soa a uma espécie de solução autoritária e repressiva, mas o seu conceito principal é muito mais a prevenção e promoção de condições sociais de segurança. Não se trata de linchar o delinqüente, nem da prepotência da polícia, de fato, a respeito dos abusos de autoridade deve também aplicar-se a tolerância zero. 

Não é tolerância zero em relação à pessoa que comete o delito, mas tolerância zero em relação ao próprio delito. 

Trata-se de criar comunidades limpas, ordenadas, respeitosas da lei e dos códigos básicos da convivência social humana.


Philip Zimbardo
Philip Zimbardo é professor da Universidade de Stanforddesde 1968. Em 2003 recebeu o Prêmio IgNobel de psicologiapela sua tese em que descrevia os políticos como Uniquely Simple Personalities. Em 2005 Recebeu o Havel Foundation Prize pela sua vida de pesquisas sobre a condição humana. 


Está atualmente trabalhando na cronologia da Experimento do aprisionamento de Standford e sua relação com os abusos na prisão de Abu Ghraib e outras formas de vilanias. Deverá ser lançado no verão de 2007 o seu livro O Efeito Lúcifer: Entendendo como pessoas boas se tornam diabólicas (The Luficer Effect: Understanding How Good People Turn Evil). O Dr. Zimbardo foi presidente da Western Psychological Association em duas ocasiões, Presidente da American Psychological Association, e escolhido Chair do Council of Scientific Society Presidents (CSSP).


segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Não é um brincadeira, antes fosse.

Texto retirado neste endereço:
http://alexprado33.blogspot.com/2012/01/macacos.html

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

CRIMINALIZANDO OS PROFESSORES, COMO?


Todas vez que acontece greves dos professores, escuto algumas manifestações, de alguns cidadãos, que não vejo ninguém respondendo ou mesmo questionando as declarações dessas pessoas. As vezes , essas declarações são feitas nas redes sociais (internet). com frases que podemos citar: "se estão achando ruim por que não pedem demissão" e "vão trabalhar vagabundo".

Essas manifestações, em desaprovação as greves dos professores (acontecem com outras categorias), é em decorrência da criminalização das manifestações populares pelos meios de comunicação. É claro que você pode questionar: mas, eu nunca vi nenhum meio de comunicação dar alguma nota contra as greves do professores? No caso dos professores, essa criminalização não é tão explicita e ocorre por omissão de algumas informações por parte da imprensa e até do governo.

Primeira frase:

 "se estão achando ruim, por que não pedem demissão?? (no setor público a demissão se chama exoneração).

Quantas notícias você já viu nas televisões, rádios, jornais e internet sobre a quantidade de professores que pedem exoneração durante o decorrer do ano? Em decorrência, dessa omissão, as pessoas acham que nenhum professor ou funcionário público pede pra sair do emprego durante do decorrer do ano por motivos de salário.
E em relação aos professares que deixam os cargos em decorrência das aposentadorias, quantas estatísticas e números são mostrados nos noticiários?

Inclusive, é comum algumas pessoas se questionarem por que tanto concurso público para professores se o número de matriculas estão caindo assustadoramente? Isso ocorre pelo simples fato que geralmente a grande imprensa omiti as informações questionadas anteriormente: as exonerações e aposentadorias dos professores.

Quanto a segunda frase

 Acredito que seja decorrência da primeira, como os professores, mesmo estando insatisfeito, não pedem pra sair do emprego (as pessoas acham isso por não sair nenhuma informação na grande imprensa), passa a ideia que estão apenas procurando motivos para não ir trabalhar e o mais importante, não sabem que uma greve é muito mais cansativa e estressante que o dia a dia no trabalho, pelo menos para aquelas que realmente fazem a greve.

Claro, existem os oportunistas que se aproveitam, por ocasião da greve, para viajar ou resolver problemas particulares e esses são tomados como exemplo, pela grande imprensa, como representantes de toda categoria e indiretamente utilizados para se criar uma falsa opinião pública em relação aos professores..

Eu sempre costumo dizer que a imprensa não precisa criar fatos mentirosos, basta omitir algumas fatos e mostrar as informações pela metade para que os ouvintes se encarreguem de gerar as falsas premissas e disseminar assim uma mentira, ou seja, uma das maneiras da imprensa mentir e ocultando alguns fatos! 

Vou contar um caso que aconteceu que exemplifica o que estou afirmando:

Quando fui estudar na UFS (Universidade Federal de Sergipe), era obrigado a viajar todos os dias da cidade onde residia (Itabaiana-SE) até a cidade de Aracaju-SE. Neste período ocorreu uma greve dos alunos e paralelamente estava ocorrendo a greve dos bancários. Por ocasião desta greve o então governador,  da época, tinha viajado para Brasília. Os grevistas se organizaram para fazer uma manifestação no Aeroporto Santa Maria (Aracaju) para recepcionar o governador no retorno de viagem. Coincidentemente ,os chamados correligionários do governador, planejaram uma recepção de boas vindas.   

Na chegada do governador, ao aeroporto, tinha duas manifestações, uma com gritos de ordem e outra aplaudindo. A chamada imprensa local, principalmente a televisão,  entrevistou os lideres dos grevista e os lideres dos correligionários.

Quando terminou as manifestações retornei para casa, contei a minha mãe que estavam ocorrendo greves na Universidade e também dos bancos e que aconteceu uma manifestação e que a noite iria passar no jornal da Televisão.

A parte mais importante desta história é que o apresentador deu a notícia, do retorno do então governador, da seguinte maneira: Governador do Estado é recebido com festa ao retornar de Brasília. Simplesmente ele omitiu a parte da manifestação que gritava palavras de ordem contra o governador e sequer foi mostrado qualquer entrevista dos lideres da greve!!!!

Resultado, passei por mentiroso perante a minha mãe que me indagou: você está inventado coisas menino, no jornal nem sequer foi falado dessas manifestações de grevistas contra o governador!!!!

Antônio Carlos Vieira
Licenciatura Plena - Geografia (UFS)

domingo, 15 de janeiro de 2012

Vantagens e desvantagens da educação à distância


Autor: 
 
Por Erik M
Do Correio Braziliense
Educação do futuro e futuro da educação
Autor(es): Jorge Werthein
Correio Braziliense - 14/01/2012
Doutor em educação pela Universidade Stanford (EUA), foi representante da Unesco no Brasil (http://jorgewerthein.blogspot.com)

Escolas em diversos países, entre eles o Brasil, se adaptam aos novos tempos e, por novos tempos, entenda-se, em muitos casos, a adoção de novas tecnologias na educação. Computadores e programas aparecem como alternativas inovadoras aos tradicionais quadros-negros e livros impressos. Notebooks, tablets, lousas eletrônicas, associados a vídeos, jogos interativos, podcasts seduzem gestores, educadores, estudantes. No ensino a distância, os novos recursos parecem ainda mais promissores. A educação do futuro bate à porta das escolas e, com ela, indagações sobre o futuro da educação.
Afinal, como se sabe, educar em consonância com a atualidade não se limita a oferecer, em sala de aula, o que há de mais moderno em tecnologia da informação e da comunicação. É o caso, portanto, de discutir o que esperar dessa tecnologia. Ela, de fato, beneficia o processo de ensino e aprendizagem? Como? Quanto? O debate está em curso há anos, mas permanece inconclusivo. Enquanto isso, mundo afora, hardware e software diversos disputam a atenção (e os recursos financeiros) de instituições educacionais do nível fundamental ao superior.
Como em todo debate, há prós e contras em cena. Entre os benefícios, pode-se destacar, por exemplo, a economia dos cursos on-line. Eles exigem menos mão de obra (especialmente em médio e longo prazo), dispensam locomoção e vários procedimentos logísticos, dispõem de recursos audiovisuais mais sofisticados, ampliam opções de cursos (ainda que alguns ainda não possam abdicar de aulas presenciais) sem que, para isso, sejam necessários elevados recursos financeiros. Basta imaginar os custos de construção e manutenção de um prédio e tem-se uma ideia da economia que representam aulas virtuais.
Essa incrementada educação a distância também parece ser a alternativa natural para milhões de potenciais alunos que não dispõem de tempo, recursos financeiros e preparo suficiente para disputar vaga nas instituições de ensino superior. Mas esses e outros benefícios não bastam para aplacar a desconfiança em relação a possíveis riscos da formação virtual, seja ela total ou parcialmente presencial. Nessa tecla, têm batido educadores de todo o mundo, que ainda têm dúvidas sobre a eficiência de máquinas para educar pessoas.
As dúvidas procedem. Entre os diversos estudos existentes sobre o tema, há um recém-divulgado pelo Centro Nacional de Política Educacional, da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, segundo o qual 27% das escolas virtuais estadunidenses obtiveram "progresso anual adequado", o padrão federal que mede os avanços educacionais no país. Quase 52% das escolas particulares tradicionais alcançaram esse padrão, porcentagem comparável à de todas as escolas públicas norte-americanas.
Por outro lado, parece evidente a atração dos recursos tecnológicos sobre crianças e jovens. Nesse aspecto, não se pode negar a relevância desses recursos. Para alguns professores, a ampliação de opções de material pedagógico também é bem-vinda. O desafio está em identificar os possíveis limites para a utilização de alta tecnologia na educação e o conteúdo mais apropriado para a formação escolar nesse contexto. Até que ponto computadores podem substituir professores? Quem e o que deve abastecer essas novas "máquinas educativas"?
A resposta a questões como essas não está apenas na economia. Está na educação, antes de tudo. A tecnologia pode ser poderosa aliada da educação desde que promova a transmissão de conteúdo de elevada qualidade e não substitua por completo a interação humana. De que valem sofisticados gadgets conectados a uma rede mundial inundada de informação se não houver pessoas que, por trás e diante deles, selecionem habilmente o que pode ser útil para uma formação de alto nível e promovam o debate sobre tudo o que se vê, ouve e lê?

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Salário do professor no Brasil é o 3º pior do mundo

CNTE (Conf. Nac. dos Trabalhs. na Educação) - O professor brasileiro de primário é um dos que mais sofre com os baixos salários.
É o que mostra pesquisa feita em 40 países pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) divulgada ontem, em Genebra, na Suíça. A situação dos brasileiros só não é pior do que a dos professores do Peru e da Indonésia.
Um brasileiro em início de carreira, segundo a pesquisa, recebe em média menos de US$ 5 mil por ano para dar aulas. Isso porque o valor foi calculado incluindo os professores da rede privada de ensino, que ganham bem mais do que os professores das escolas públicas. Além disso, o valor foi estipulado antes da recente desvalorização do real diante do dólar. Hoje, esse resultado seria ainda pior, pelo menos em relação à moeda americana.
Na Alemanha, um professor com a mesma experiência de um brasileiro, ganha, em média, US$ 30 mil por ano, mais de seis vezes a renda no Brasil. No topo da carreira e após mais de 15 anos de ensino, um professor brasileiro pode chegar a ganhar US$ 10 mil por ano. Em Portugal, o salário anual chega a US$ 50 mil, equivalente aos salários pagos aos suíços. Na Coréia, os professores primários ganham seis vezes o que ganha um brasileiro.
Com os baixos salários oferecidos no Brasil, poucos jovens acabam seguindo a carreira. Outro problema é que professores com alto nível de educação acabam deixando a profissão em busca de melhores salários.
O estudo mostra que, no País, apenas 21,6% dos professores primários têm diploma universitário, contra 94% no Chile. Nas Filipinas, todos os professores são obrigados a passar por uma universidade antes de dar aulas.
A OIT e a Unesco dizem que o Brasil é um dos países com o maior número de alunos por classe, o que prejudica o ensino. Segundo o estudo, existem mais de 29 alunos por professor no Brasil, enquanto na Dinamarca, por exemplo, a relação é de um para dez.
Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o salário médio do docente do ensino fundamental em início de carreira no Brasil é o terceiro mais baixo do mundo, no universo de 38 países desenvolvidos e em desenvolvimento. O salário anual médio de um professor na Indonésia é US$ 1.624, no Peru US$ 4.752 e no Brasil, US$ 4.818, o equivalente a R$ 11 mil. A Argentina, por sua vez, paga US$ 9.857 por ano aos professores, cerca de R$ 22 mil, exatamente o dobro. Por que há tanta diferença?

TEXTO REPLICADO DESTE ENDEREÇO: